Logo
GTE

 Situação Operacional: REGIME ESPECIAL

GTE
Grupo de Transporte Especial

Histórico

Com a construção de Brasília, foi criado em 1958 o Destacamento de Apoio para a criação da Base Aérea de Brasília, efetivamente implantada no dia 03 de dezembro de 1963. Uma das primeiras atribuições da BABR foi possibilitar a operação das aeronaves que realizavam o transporte de material necessário à construção da nova capital e também das autoridades civis e militares. Com o objetivo de realizar o transporte dessas autoridades, em 1957 foi criado o Grupo de Transporte Especial - GTE, subordinado ao Quartel-General da então III Zona Aérea, sediada na cidade do Rio de Janeiro - RJ.

O GTE é formado por três esquadrões, o GTE 1, o GTE 2 e o GTE 3. No início de suas atividades, ainda no Rio de Janeiro, o GTE 1 estava equipado com os bimotores Douglas VC-47 Dakota, recebendo logo a seguir os quadrimotores Vickers VC-90 Viscount, fabricados na Inglaterra. O GTE 1 foi transferido para Brasília em 1960, porém o GTE 2, equipado com aeronaves Douglas C-47 Dakota, Beechcraft VC-45 Expediter e helicópteros Bell H-13J, permaneceu no Rio de Janeiro até 1967, quando os dois esquadrões reuniram-se em sua nova sede, a Base Aérea de Brasília. O GTE 3 foi ativado em 2005, com o objetivo de operar os helicópteros franceses Eurocopter VH-55 Fennec e VH-34 Super Puma.

Atualmente, o GTE tem a missão básica de realizar o transporte aéreo do Presidente da República, Ministros de Estado, Secretários da Presidência da República e autoridades dos Poderes Legislativo e Judiciário, bem como o Alto-Comando da Aeronáutica. Também baseado em Brasília está o 6º ETA - Esquadrão Guará, responsável pelas missões de transporte aéreo no âmbito do VI COMAR, e que algumas vezes realiza o transporte de autoridades governamentais.

Administrativamente, o GTE está subordinado à Base Aérea de Brasília, que dela recebe todo o apoio necessário ao seu funcionamento, mas operacionalmente, o GTE está subordinado ao Gabinete do Comandante da Aeronáutica (GabAer). Em coordenação com a Assessoria de Relações Públicas do GabAer (GC-2) e a Assessoria 4 do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (ASS-4), realiza as missões solicitadas pelo Palácio do Planalto.

O GTE passou a operar aeronaves a jato no ano de 1968, quando recebeu dois BAC VC-92 One-eleven, para o transporte do Presidente da República. Os BAe (Hawker Siddeley) VU-93 Dominie, destinados ao transporte de Ministros e Secretários da República, chegaram no mesmo ano. Os VC-92 foram desativados em 1976 e foram substituídos por dois Boeing VC-96, versões VIP do Boeing 737-200 de uso comercial, ainda operacionais. Durante o ano de 1987 chegaram os Gates VU-35A LearJet e os helicópteros Eurocopter VH-55 Fennec.

Em 2005 chegou o Airbus VC-1A, versão do Airbus Corporate Jetliner, que por sua vez é uma versão VIP do Airbus A319 de uso comercial, bem como mais um helicóptero Eurocopter VH-34 Super Puma, anteriormente utilizado pelo Esquadrão Puma. Em meados de 2006 o GTE começou a receber os jatos bimotores Embraer ERJ 145, designados inicialmente como C-99A e depois como VC-99A, substituindo os VU-93 Dominie. Em setembro de 2006 começaram a ser recebidos os Embraer Legacy, designados como VC-99B e os Embraer ERJ 135, designados como VC-99C, dando início a substituição dos Learjets.

Em 2008 foram recebidos dois helicópteros bimotores Eurocopter VH-35 para substituir os VH-55 Fennec. No início de 2009, o VC-1A teve a sua designação alterada para VC-1. No dia 25 de setembro de 2009 o GTE recebeu o primeiro de dois Embraer 190, designados VC-2, para substituir os Boeing VC-96 e completar a renovação total da frota.

Fonte: SPOTTER / CECOMSAER

 

 

Combate FABv

Banner
Banner
Banner

Parceiros

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

TS Server